Transformação digital no setor farmacêutico

Os desafios da transformação digital no setor farmacêutico

A transformação digital no setor farmacêutico, e em toda a indústria de saúde, está em ritmo acelerado. Contudo, um levantamento da McKinsey mostrou que esse segmento ainda está reticente em apostar nessa tendência.

Hoje, centrar a estratégia em transformação digital é essencial. A concorrência está focada em integrar ferramentas digitais que possam ser agregadas em toda a extensão do negócio. Contudo, a transformação digital não afeta apenas dessa forma.

Por esse motivo, vamos analisar as principais tendências que transformação digital está trazendo para o setor farmacêutico:

MUDANÇA DE CULTURA DOS C-LEVEL

A primeira vista, pode-se crer que um dos principais problemas para a integração da transformação digital seja a falta de consciência sobre o assunto. Contudo, muito se atribui a iniciativa dos seus líderes. Afinal, a transformação digital pode começar bem ou mal em uma empresa, mas ela sempre precisa ser um esforço vindo de cima.

A mesma pesquisa da McKinsey, que citamos acima, apurou que menos da metade dos C-Levels do ramo farmacêutico possuem o conhecimento necessário em tendências digitais. Por esse motivo, muitas vezes a parte digital é tratada como um aspecto e não como um ponto crítico do negócio para o digital.

Por esse motivo, uma das maiores ações é a mudança de cultura. Contudo, ela é um processo lento e gradual, que deve ser encarado com paciência, requerendo uma constante atualização por parte dos líderes. Dessa forma, os processos passarão a ser idealizados ainda mais focados no consumidor, além de surgirem ainda mais inovadores, ágeis e colaborativos.

UMA NOVA VISÃO HOLÍSTICA DO OMNICHANNEL

É uma prioridade que, devido ao múltiplo acesso à marca proporcionado pela transformação digital, toda interação com os consumidores flua entre canais de maneira rastreada, permitindo entender e administrar as informações provenientes deles.

Contudo, o foco não deve ser apenas nos canais em si, mas como eles se relacionam e proporcionam experiências ainda mais completas para o consumidor. Além disso, é preciso pensar que o fornecimento do produto é apenas uma parte do tratamento para esse paciente.

Incluir essa abordagem mais holística na estratégia permitirá incluir serviços e produtos ainda mais amplos e com menor chance de rejeição no mercado.

A JORNADA DO CLIENTE NA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL NO SETOR FARMACÊUTICO

Hoje, é fundamental que as empresas farmacêuticas entendam como médicos e pacientes preferem aprender e interagir. Dessa forma, quem tenta dominar o conhecimento dos processos de tomada de decisão dos seus clientes já está ganhando vantagem. Por exemplo, atualmente, os médicos preferem receber informações relativas a progressão do tratamento pelo produto do que apenas ser convencido a usá-lo.

A McKinsey apontou que 40% das pharmas dos Estados Unidos admitiram não entender quais são os pontos de contato que trazem seu cliente através da sua estratégia digital. É crucial ter um bom entendimento, uma vez que a tecnologia fornece meios de trazer conhecimento relacionado à identificação, diagnóstico e aderência de pacientes à produtos e serviços a qualquer momento.

O NOVO PAPEL DO PACIENTE PARA O NEGÓCIO

O digital agora permite que pacientes acessem informações sobre seu próprio tratamento de uma maneira sem precedentes. Por esse motivo, é essencial que as empresas farmacêuticas se tornem a maior autoridade sobre seu próprio produto, principalmente sobre seus efeitos colaterais e recomendações de uso.

Devido a essa grande quantidade de informação acessível, as pessoas estão mais confortáveis em assumir papeis mais ativos em seu tratamento e prevenção de doenças. Será essa informação que permitirá que pacientes desenvolvam um relacionamento mais profundo com sua saúde e avaliem o custo de produtos ou serviços farmacêuticos que possam precisar. Como é possível concluir, essa é uma perspectiva totalmente nova para as pharmas conquistarem novos clientes, antes mesmo deles chegarem a uma farmácia ou consultório.

PERDA DE EFICIÊNCIA: SUPPLY CHAIN E PROCESSOS DE FUNCIONÁRIOS

Em um ponto de vista mais técnico, há algum tempo a ineficiência nos processos de supply chain e P&D tem sido um empecilho para companhias farmacêuticas aumentarem sua qualidade e diminuírem seus custos no setor. Assim, um problema na cadeia de produção, pode impactar times de pesquisa, linhas de produção e até mesmo os próprios clientes.

Essa ineficiência é principalmente caracterizada pelo volume de tempo desperdiçado convertendo dados e informações em conhecimento ou por erros humanos. Por esse motivo, os profissionais, mais do que nunca, precisam de sistemas escaláveis, que reduzam erros e que possuam uma tecnologia acessível.

Inclusive, esse é um ponto crucial para o sucesso de novas empresas do setor na transformação digital: elas, especialmente nesse momento, devem se atentar na maneira como a informação é incluída e comunicada,

SOLUÇÕES PARA TRANSFORMAÇÃO DIGITAL DO SETOR FARMACÊUTICO

É importante considerar alguns produtos, que nem sempre estão relacionados ao mercado, dentro do contexto do setor farmacêutico. Especificamos alguns pontos onde eles atuam, como exemplo, mas lembre-se, suas usabilidades são imensas, dependendo apenas da estratégia pretendida pela empresa.

  • Digital Analytics e Data management – O gerenciamento de dados, permite, por exemplo, que os tratamentos e indicações de remédios possam ser mais personalizados para pacientes. Assim, além de aumentar a autonomia e eficácia, há uma participação inédita das indústrias dentro do diagnóstico.
  • Blockchain – Famosa pelas moedas digitais, a blockchain pode adotar um papel em rastrear e definir produtos e matérias-primas dentro da suplly chain., o que é feito em território americano atualmente.
  • RPA e Machine Learning – A automação e aprendizado de robôs podem descobrir marcadores biológicos e determinar que pacientes podem se beneficiar, por exemplo, de uma droga em desenvolvimento,. Além disso, eles podem automatizar tarefas físicas e otimizar outras funções que não necessitam de intervenção humana, poupando recursos humanos e gastos em vários setores da empresa.
  • AI – A inteligência artificial é uma ferramenta poderosa em guiar decisões de investimentos, expectativas de retornos e gerenciamento de riscos em funções financeiras. Apesar de não ser uma função essencial, ela permite que recursos sejam poupados, o que é um grave problema em diversos setores.
  • Além deles, outras tecnologias que estão sendo utilizadas são a cloud ERP e EPM, os processos de linguagem natural e cognitiva e, em especial, o IoT, que deve movimentar R$136,8 bilhões, no setor, em 2021, segundo a Allied Market Research.

E-book Squads

E AGORA?

A transformação digital trouxe um novo contexto para a relação entre empresas farmacêuticas e sues pacientes. Agora, os pacientes são figuras mais ativas, enquanto que médicos e as empresas onde eles trabalham, assumem um caráter mais eficiente e empático. Além disso, frente a uma concorrência que está cada vez mais ciente da transformação digital, acompanhar os novos modelos é fundamental para se manter relevante.

Estar ciente das opções e dos problemas será um movimento essencial para empresas pharmas que desejam se manter relevantes após a transformação digital. Além disso, conhecer seus intermediários e ampliar suas experiências, enquanto se beneficia de tecnologias para otimizar processos é o segredo para garantir seu sucesso no futuro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fale Conosco

Para enviar seu currículo, clique aqui

X
Fale Conosco